domingo, 13 de setembro de 2009

ATENÇÃO-A MAIOR PROVA DE AMOR


Uma época em que fui extremamente realizada em minha vida, foi quando participei de um voluntariado em um hospital publico, conheci diversas pessoas, de idades diferentes, participei da vida delas e conheci historias lindas, tristes e cheias de felicidade.
Numa dessas visitas ao hospital conheci um senhor de 85 anos que tinha pneumonia, estava bem doente e se recusava a comer.
Eu entrei no quarto, ele tinha acabado de sair do banho ficou envergonhado, pois estava de camisola hospitalar, logo me apresentei e disse um oiiiiii assim bem comprido.
Ele relatava falta de apetite por solidão, disse que quase não se alimentava, pois morava só e não tinha vontade de cozinhar, perguntei-lhe sobre sua esposa, ele respondeu bem assim:
-Tu achas que se minha mulher estivesses viva. Eu não estaria assim tão doente, ela era tudo pra mim, a melhor do mundo!
Era português, me apeguei demais a ele por que eu cuidava de uma senhora portuguesa que faleceu.
Passei horas conversando com ele até, que quando reparei não havia mais comida no prato.
Seu filho mais velho tinha sofrido um derrame e estava em estado vegetativo, à filha mais velha queria vender a casa dele, como ele não aceitou, ela nunca mais apareceu, me contou que estava sempre só, e que se sentia mal.
Eu sempre ia visitá-lo e prometi que iria vê-lo quando tivesse alta e fosse para casa.
E foi assim, certa vez ele me confidenciou que fazia tempo que não comia bacalhau, era páscoa, prometi que levaria na casa dele no domingo de páscoa o peixe.
Quando o chamei no portão, ele não se lembrava de mim, ficou assustado, mais logo recordou, comeu bastante bacalhau.
Agradeceu sorrindo, morava só em uma casa enorme, disse que pensou que eu não o visitaria que me esqueceria dele como todos fizeram.
Eu disse a ele que sou diferente, que nada substitui a amizade que construímos.
E nada substitui a atenção com os idosos, eu particularmente tenho preferência por trabalhar em pediatria ou neonatologia, mais a geriatria é toda especial.
Eu também tive o prazer de conhecer outro senhor, ele tinha Alzheimer, não se lembrava nem da esposa, tinha sofrido muito, a família o internou em uma casa de repouso, lá ele sofria maus tratos, tinha marcas de agressões só falava quatro palavras:
Gostoso, gostosinho e vou trabalhar.
Sempre que eu ia vê-lo ele me abraçava, mais teve um dia em especial, dei o almoço a ele e saí do quarto, mais tarde na hora do jantar voltei, quando ia entrar no quarto ele me viu na porta e disse ao acompanhante de quarto:
-Você viu?
O acompanhante perguntou o que?
Ele disse:
-Aquele anjo, de rosa veio me visitar de novo, como ela é linda, você viu era um anjo.
Ele me abraçou quando cheguei perto, todos que estavam no quarto ficaram emocionados ele praticamente não falava.
Esse sentimento bonito que a atenção aos semelhantes nos traz deve ser sempre propagado.
Já que estou falando sobre o meu voluntariado, gostaria de homenagear algumas das minhas companheiras a Graça, Neide, e Vera, mulheres maravilhosas que me ensinaram a amar demais aquelas pessoas especiais que passaram em nossas vidas.

6 comentários:

Se o "se" não tivesse ficado só no "se" disse...

Nossa, que pena que seu voluntariado terminou dessa maneira, eu tb estou aprendendo bastante no hospital, tá que é psiquiátrico, mas mesmo assim, sábado mesmo, por algumas horas, consegui me distrair um pouco do que aconteceu na sexta feira, e só fiquei triste novamente qd estava no ponto esperando o ônibus. mas achei muito bonita sua dedicação, eu vejo que alguns colegas meus estão lá só pra cumprir a obrigatoriedade do estagio, e outros, parecem que tem nojo dos pacientes, fazem uma cara feia qd tem um mais carinhoso que quer cumprimentar dando beijinho, e tal...boa semana.

Lucas Lima disse...

bacana enchergar tuas visões desta área, gostei
me inspirou a assistir mais séries médicas, rs
Bjs e bons dias

Déia disse...

Que lindo seu trabalho! Vc deve sair tão realizada!!
Deve se sentir tão bem emocionalmente!
Ajudar os outros, nada mais é do que ajudar a nós mesmos! né?

A gente sai preenchida de amor!

bj

Amiga do Cafa ( Celamar ) disse...

Também fui muito feliz quando fiz alguns trabalhos voluntários. Amei um em especial, com crianças carentes da Cruzada São Sebastião ( fica na Zona Sul do Rio - Leblon ) pelo extinto Projeto Rondon.
Adoro trabalhar com crianças.
Fazendo outros pequenos trabalhos, percebi, até certo ponto espantada, que tem gente que faz trabalho voluntário, não por prazer, nem desejo de ajudar,mas sim, para ir para o céu ou coisa parecida.
Até em trabalho voluntário existe disputa e vaidade.
Eu já te adicionei no MSN.
Estou devendo minha história.
Deixa comigo.
Beijão e boa semana !

In-Vestida disse...

Parabéns pelo seu trabalho querida! Maravilhoso você contando. bjusss

Ju disse...

Tem selinho lá pra você!!
Beijinnhos!!